Postado 30 de setembro de 2019

Me inscrevi no site de troca de casas brasileiro!

Troca de casas na BeLocal Exchange

Máira Miranda Mãe no Mundo no quarto novo
em busca da próxima troca de casas

Vamos ser sinceras: eu economizei muito em hospedagens nas minhas 26 (vinte e seis) trocas de casas, e somente assim foi possível viajar tanto nos últimos três anos e dar a volta ao mundo em 2018. Mas também gastamos muito com passagens e outras despesas, ao ir para países com moedas mais fortes que a nossa, onde os sites que eu usava tinham mais casas.

Eu tinha um forte desejo de ver o modelo de troca de casas funcionar com mais facilidade também aqui no Brasil e nos países da América Latina. Não seria maravilhoso viajar para casas de famílias mais próximas da nossa casa, sem pagar hospedagem?

A mãe empreendedora Andrea Aguiar, carioca que já tinha feito dezenas de trocas de casas em 10 anos com essas experiências, também tinha esse mesmo desejo. Então, em 2016, ela criou a BeLocal Exchange, o primeiro site brasileiro de troca de casas.

Na época, acompanhei essa notícia nos jornais (acho que recebi reportagens sobre o lançamento da empresa de mais de 30 pessoas!), mas preferi esperar. Até que agora, com o crescimento da empresa e mais de 1700 opções para trocarmos, me rendi: me inscrevi hoje na BeLocal Exchange e vim contar para vocês a minha experiência inicial.

Primeiro, queria explicar melhor alguns motivos que me fizeram me inscrever no site:

  1. Como vocês sabem, não somos mais nômades: agora temos uma vida mais “tradicional”, e por causa dos tratamentos e da escola do Vicente, viajamos na maioria das vezes nas férias e feriados.
  2. Viajar pelo Brasil é o mais viável nesses períodos de alta temporada, porque passagens para o exterior na nessa época estavam inviáveis. Ah, e também adoro de viajar de carro, há vários destinos por perto que quero rever ou conhecer!
  3. As trocas de casas são ótimas para bebês e melhores ainda para crianças na idade do Vicente, que agora, aos 3 anos, precisam de mais espaço! Quartos de hotel tem essa limitação que as casas não tem!
  4. Me senti tentada a buscar uma empresa que se firma no propósito inicial do conceito das trocas diretas: eu vou para a sua casa e você vai para a minha. As minhas melhores experiências de trocas de casas foram assim!
  5. Valorizar uma empresa nacional criada por mães pioneiras, que acreditam e investem em boas ideias: precisamos fazer mais isso!
apartamento em Salvador inscrito no site da BeLocal Exchange

Então, entrei no site. Foi bem simples fazer o cadastro:

  • inseri minhas informações,
  • as informações do meu apartamento,
  • data de disponibilidade (se não souber, não precisa colocar),
  • localização (eles mostram o local aproximado no mapa, mas não o endereço completo para quem não confirmou troca com você ainda, para nossa segurança),
  • e por fim, as fotos.
inseri várias fotos do meu novo quarto, mas também de todos os outros ambientes!

Inscrita no site, comecei a “namorar” meu próximo destino. Adorei várias opções no Nordeste; na região serrana do Rio; e me apaixonei por uma casa de praia luxuosa em Angra.

Por fim, já escolhi onde quero ficar na próxima viagem a São Paulo:

o apartamento que desejei ficar em São Paulo!

Adoro quando encontro apartamentos com quadros coloridos, plantas, aconchego. Sinto que tem alguém com uma “vibe” parecida morando ali, que vai ser o máximo trocar chaves com essa pessoa por uns dias.

Mas aí comecei a desbravar a América Latina… Santiago e Buenos Aires também me pareceram ótimas escolhas para uma esticadinha maior nas férias.

apartamento em Santiago na BeLocal

Por fim, fiquei tentada a ir para mais longe mais uma vez, quando vi os apartamentos de Paris e NY que também estão disponíveis.

Mas mantive meu propósito inicial: enviei mensagens para cidades que quero visitar por poucos dias, nada que prejudique nossa rotina. Um feriado ou um final de semana e mais um dia… Quem sabe, uns 20 dias em dezembro ou janeiro, nas férias escolares. Vi casas e apartamentos luxuosos, mas a maioria são de gente como a gente: classe média, que trabalha e quer viajar mais.

E tem também muitas casas de praia e de campo, uma mais gracinha que a outra. Muita gente adquire esses imóveis e vai muito pouco. É uma ótima ideia inscrevê-lo no site e “ganhar” casas de praia e de campo em vários outros destinos, com as trocas.

Viajantes de última hora também tem vez!

Outro ponto que adorei: as sugestões com “disponibilidade imediata”, esse era um ponto difícil nos outros sites, que não tinha nada assim e a gente perdia muito tempo procurando casas quando a maioria ali só faz as trocas com meses de antecedência.

Aqui em casa já aconteceu tantas vezes de decidirmos viajar para perto, em cima da hora, sem nada definido. Nesses casos, a troca de casas nem era tentada. Agora, já sei que vou enviar mensagens para algumas daquelas casas na próxima vez que isso acontecer. Ou das que estiverem disponíveis no dia!

Enquanto isso, já estou imaginando nossas nossas aventuras de troca de casas! Qual daquelas casas lindas que vi ali vamos conhecer primeiro?

E quem será que vai querer trocar casas comigo?

Máira Miranda - Mãe no Mundo - em seu apartamento
Máira Miranda – Mãe no Mundo – em seu apartamento

Se tiver curiosidade para ver o perfil do meu apartamento, aqui está o link.

Ah, e se também for se inscrever, não se esqueça de usar o código: MNM10, que dá direito a 10% de desconto.

A inscrição é gratuita, mas caso você vá confirmar uma troca, deverá pagar a anuidade, que é bem em conta e vale super à pena. Por um valor parecido com o de uma diária de quarto de hotel, você faz quantas trocas quiser pelo ano todo! E nesse caso, já terá cadastrado o desconto, que valerá quando decidir por efetuar o pagamento da anuidade.

Algumas outras dicas importantes:

  1. Tire fotos do seu apartamento ou casa. Muita gente se inscreve (não só nesse, mas também em outros sites de trocas de casas que já me inscrevi) e não coloca as fotos do apartamento. Dificilmente essas pessoas receberão mensagens propondo trocas! Então, se inscreva no site já com as FOTOS! Foco na economia de hospedagem que você vai fazer pelo resto da vida (eu sou um exemplo vivo!). Tire um tempinho, tire uma foto de cada cômodo, pode ser com o celular mesmo, e faça o upload no seu cadastro.
  2. Ainda não sabe para onde ir? Gostei do que vi em cidades como Rio de Janeiro, Recife, Fortaleza, Florianópolis, Chapada Diamantina, Campos do Jordão, Gramado, Porto Alegre e São Paulo. A empresa tem também associados em países como Uruguai, Argentina, Estados Unidos, Portugal e França, entre outros.
  3. Mande mensagens! Os sites de troca de casas dependem da proatividade dos seus membros. Escolha alguns destinos e já envie algumas mensagens! Vamos fazer essa viagem acontecer!

Mais alguma dúvida ou dica? Me conta! Expliquei muitas das principais dúvidas sobre as trocas de casas nesse post aqui, já leu?

Logo espero voltar para contar como foi minha primeira aventura em uma das casas da BeLocal Exchange.

Gostou? Então salve para depois ou compartilhe com o seu mundo:
Comente via Facebook
Comente no Blog